segunda-feira, 6 de junho de 2016

Só o teu amor me acalma



Solto em palavras
o que derrama da alma!
Há palavras que me enleiam
sofro sem ter medo
Absorto em mim…
Palavras que me chateiam.

Bailam pensamentos
devoram a minha vontade de ti.
Se calhar não nos vamos encontrar
se calhar não é este o tempo
nem nesta vida
que voltarei a amar.

São palavras nossas
de mim, de medos.
Tantas vezes me detenho!
O tempo hidrata os sonhos,
cura mazelas, reforça desejos
dos poemas que compomos.

O tempo brinca
o agora já não existe.
Como a lua vazia
à espera de nos encontrar.
E tão profundo que é…
O desejo de te querer amar!

Solto em palavras
a entrega tem sabor a paixão!
O fogo alastra, incendeia-me
e eu torno-me
numa brasa incandescente
ardendo pelo teu coração.

Sofro sem ter medo
cansado de ver naufragar
as minhas esperanças.
O tempo é implacável
absorto em mim
vou despertando nossas lembranças.

O que derramo da alma
ensina-me a rasgar a saudade
em milhões de pedaços.
Pois enquanto o dia avança
pela tarde fora, a noite já espera…
E eu desespero sem os teus braços.

Há palavras que me enleiam
num desflorar de desejos tórridos
nos acordes da alma.
O tempo está parado, esquecido…
Lembrado …
só o teu amor me acalma.

𺰘¨¨˜°ºð022/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

segunda-feira, 30 de maio de 2016

E eu oiço



E eu oiço,
as coisas que só tu sabias dizer
porque te amava
no meu tão acolhedor refúgio.

E eu oiço,
e agora desejo esquecer-te,
mas não queres sair da minha mente.
Esta ingénua e estupida vontade de te amar.

E eu oiço
o inicio das nossas noites eternas de amor,
num pacífico vazio…
Como um vulcão, paralisado de desilusões.

E eu oiço…
alimento os meus sonhos e ideais
simplesmente!...
Porque ainda fazes parte de mim.

E eu oiço
transpiro, choro…
Embebedo-me em lágrimas, paro para pensar…
Porquê te amar?

𺰘¨¨˜°ºð021/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
 Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Estações



O céu e o mar procuram
num infinito sem fim
no mais vazio que houver
uma Primavera dentro de mim.

Delicio-me em poder caminhar
no silêncio da madrugada
porque sem vida, a vida é vazia
entrega intensa, magoada.

Descrevo sensações
sou tão pequeno nesta imensidão
sábio é o amor
que brota do coração.

Faz lembrar a nossa história
o céu e o mar a testemunhar
procurei-te na madrugada
de um verão por despertar.

A nossa alma é vaga
é mero egoísmo disfarçado
merece ser reflectida
com os erros do passado.

Procurei-te na madrugada
acordei o silêncio na memória
mais um Outono renovado
faz lembrar a nossa história.

O amor é incomparável
no espelho chamado coração
sem pedras no caminho
podemos reflectir o perdão.

Quando julgamos ter quase tudo
para além da imaginação
as decepções do Inverno
marcam-nos o coração.

Aprendo a viver
na exactidão da vida
em passos ritmados
vivo a força sentida.

A tudo o que se passa
durante o tempo vivido
cruza-se connosco a morte
nesta vida sem sentido.

𺰘¨¨˜°ºð020/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Deixo-me aconchegar ao teu peito



Um demónio
ocupou o meu corpo
entre almas e espíritos.
Então a luz
da divina vida derrama-se
decerto sobre mim!...
onde o ódio se alimenta
a cada esquina.
Evoco quem já não está
para expressar a minha tristeza.
Momentos,
hoje ainda sonho
uma vida que viaja
para longe de mim!
Pedaços de alegrias
que mais me encheram os olhos de lágrimas.
Mas sempre escondi
desculpando-me perante mim próprio,
aprendo sempre com o olhar
não posso ficar neste vazio,
Fere-me…
Como se tivesse perdido algo.
O espelho fala por mim,
ao triplicar as sensações.
Deixo-me aconchegar no teu peito
desenho o teu peito na lua
quero apenas renascer e partir
no teu brilho maior que flutua.

𺰘¨¨˜°ºð019/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Todas as noites



Ah, eu quero todas as noites
o céu e as estrelas,
caminhar sobre a lua
à procura de ti na alvorada.
Anseio a ida,
a volta,
a chegada.

Ah, eu quero todas as noites
o sangue a correr nas veias
quente, misterioso,
dividir contigo
o prazer do corpo
viajar, levar comigo tudo
o que nos dê prazer.

Ah, eu quero todas as noites
que me olhes nos olhos
que me abraces bem apertado.
O suficiente, para não enlouquecer
se te transformares em doce pecado
não te quero perder!

Ah, eu quero todas as noites
Uma tempestade de emoções
Toques… que me tirem o folego
Entre sonhos e delírios
Desvendar-te por inteiro
Acordar brisa
Adormecer furacão.

Ah, eu quero todas as noites
sentimentos a transbordar,
abraçar o tempo sempre profundo
em meus sonhos vaguear.
Mergulho em mim
e isso não me confunde
continuo a querer sonhar.

𺰘¨¨˜°ºð018/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

sábado, 30 de abril de 2016

Nos meus braços



Queria que
tivesses caído em meus braços
até me encontrar vencido.
Tenho o coração embriagado
a minha alma sussurra
O meu corpo ainda adormecido
Acorda o meu coração ferido.

Queria que
tivesses caído em meus braços
sem nada dizer…
Apenas me olhasses
depois de tanto acontecer.
Sentar, conversar, contemplar-me
Renderes-te ao nosso prazer.

Queria que
tivesses caído em meus braços
sem medo de ir adiante.
Para tentar reviver
o que a memória constrói.
Deve ser tudo o que fica, o presente…
Passado, que eu quero esquecer.

Queria que
tivesses caído em meus braços,
entrasses em mim profundamente.
Momentos que sentimos com força
poderão marcar-nos para sempre.
Tudo o que resta é vivê-los
e senti-los eternamente.

𺰘¨¨˜°ºð017/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Os meus lábios estão sedentos



Os meus lábios estão sedentos,
eu preciso dos teus beijos.
A tua voz tornou-se apenas um eco.
Deixa-me proteger-te do frio,
sussurrar-te o quanto é doce
o teu rosto luzidío.

Os meus lábios estão sedentos
Porque me deixas na espera?
quero o néctar da tua boca
abraçar-te na madrugada fria
a minha pele na tua
acalmar a euforia.

Os meus lábios estão sedentos
sinto um arrepio perto do pescoço…
É muito bom ter o teu corpo
ele deixa-me paralisado…
Consigo sempre ter pedaços teus
permanecer  ao teu lado…

Os meus lábios estão sedentos
lambuzo-me no mel do teu corpo
saciando a sede de desejo…
O desejo nem sempre fica,
mas quero sempre
prende-lo a mim eternamente.

𺰘¨¨˜°ºð016/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Uma alma sofrida



Uma alma profunda
moribunda, sofrida.
Já passou tanto tempo,
mas não está esquecida.

Sofrida na imensidão
esquece-se da vida.
Num dia de solidão
uma alma sofrida.

Na imensidão da vida
esquecida, vencida.
Uma alma sofrida
amou como uma perdida.

Dorme na corda da vida
uma alma sofrida.
De momento em momento
foi ficando sem saída.

Sem saída entristecida
perdeu a vida!...
Uma alma sofrida
padeceu enlouquecida.

𺰘¨¨˜°ºð015/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

terça-feira, 5 de abril de 2016

Eu sei que vivi



Eu sei que vivi
em cada fragrância do sol.
Vivi os meus amores,
acordes de amor
que flutuaram em segredo.

Eu sei que vivi…
Beijei  suavemente
as tuas lágrimas de dor.
Sentimento que me abraça
neste abrigo de recordação.

Eu sei que vivi
a melodia que me afagou
com os teus braços.
Aroma de saudade
a derramar emoção.

Eu sei que vivi
floresci em poemas confidentes.
Nas madrugadas frias
do meu sentir,
nas rimas singelas da minha alma.

Eu sei que vivi
o amor fugaz
nas asas dos meus sonhos.
Quando o meu pensamento
almejou luares de ti.

Eu sei que vivi
iluminado pelo brilho das estrelas,
embalado pelos abraços das nuvens
que amanhecem num fulgor
de luz e cor.

Eu sei que vivi
na linha do infinito.
No refúgio das palavras
entrelacei pensamentos,
no horizonte da utopia.

𺰘¨¨˜°ºð014/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor

quinta-feira, 31 de março de 2016

Tempestade nos corações



Deixo-me embalar
no bailado sensual do nosso amor
nos pedacinhos do luar
que te vestem o corpo com fervor.

O amor aconchega-nos
afasta as neblinas da memória
galopa nas estrelas do infinito
leva no olhar a nossa história.

Que sentimento é este que me alimenta,
que  pinta o nosso horizonte de amor.
As estrelas escrevem os teus sussurros
talvez ainda o firmamento ainda chore de dor.

Sentimentos deambulantes
tocam as nossas melodias.
Falam ao vento… ás estrelas… à lua…
os mais áridos murmúrios que fazias.

Deixo-me embalar
e viajo pela perpetuidade do sentir.
Em minha voz a tua voz
na aurora das emoções que hão-de vir.

Pétalas de sonho perfumadas
lembranças dos teus beijos.
Sons do silêncio e sedução
no labirinto dos nossos desejos.

Quero resgatar ao tempo
todo o tempo que há-de vir.
Carinhos de seda na cama
tocar o teu corpo… e sentir.

Adormeço no embalo das nossas melodias
cores vivas nas nossas emoções.
Meus lábios que encontram nos teus lábios
a tempestade nos corações…

𺰘¨¨˜°ºð013/2016𺰘¨¨˜°ºð
Autor: 𺰘¨¨˜°ºðCarlosCoelho𺰘¨¨˜°ºð
Foto da Net
Copyright © 2016
© Reservados os Direitos de Autor
Ao Abrigo do Código de Direitos de Autor